Frei Michel da Cruz, OFMConv
No presente há sempre um presente: a chance de se trabalhar.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
FotosFotos
PerfilPerfil
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
26/08/2019 07h11
Lucas 1, 26-38

Um sim, dado com humildade e fé, é capaz de mudar a história, salvar o mundo e tornar, em Deus, possível aquilo que, aos olhos humanos, parecia impossível.
Lucas 1,26-38 apresenta o relato da Anunciação do Arcanjo São Gabriel à Nossa Senhora. O anjo do Senhor é enviado a uma pequena cidade da Galiléia chamada Nazaré. Lá, ele tem um diálogo com uma humilde virgem chamada Maria. Esta conversa começa com uma saudação que soa diferente aos ouvidos de Maria. O anúncio do anjo tem como temática inicial a alegria. Aquilo que conhecemos como Ave Maria, na realidade, é um grande grito de júbilo: alegra-te, ó Maria! Temos, aqui, um dos temas basilares do Evangelho de São Lucas: a alegria messiânica. Essa alegria brota da certeza e da presença do Reino de Deus manifestado em Jesus Cristo. Ele é a nossa alegria. 
Após dizer isso, o Anjo afirma o motivo pelo qual Maria deve se alegrar, a saber: o Senhor é com ela! O Senhor Deus de Israel está com Maria. Os relatos vocacionais, no Antigo Testamento, começam, em geral, confirmando a certeza da presença de Deus junto aquele que é chamado. É isso que permite a concretização da missão. Sem mim, nada podeis fazer, ensina-nos Jesus, no Evangelho de São João (Jo 15,5).
Ao perceber que Maria começa a se indagar sobre o significado de tal saudação, o Anjo a convida a deixar de lado o medo, que muita das vezes nos impede de seguir em frente, e começa a explicar-lhe a razão de sua visita: "encontraste graça diante do altíssimo" (Lc 1,30) e, por isso, foste escolhida para ser mãe do Filho de Deus.
É interessante notar que, neste relato bíblico, Nossa Senhora não é meramente paciente do anúncio do anjo. Ela faz suas intervenções e indagações. Maria usa de sua liberdade, diante da proposta feita por Deus a ela. Não por acaso, o Arcanjo São Gabriel anuncia o sinal que confirma o milagre que se dará com Maria: a idosa e estéril, Isabel, também concebeu. Se Deus é capaz de tornar a idosa fecunda, também é  capaz de fazer a Virgem conceber. Se um galho seco pode vir a florir, o que se dirá de um ramo ainda verde? A virgem e a idosa concebem por obra divina.
Diante da fala do anjo, resta ainda a liberdade de Maria. Ela bem poderia dizer não ao projeto de Deus. Ela poderia se negar a acolher o convite feito pelo Arcanjo São Gabriel. No entanto, Maria, após ouvir tudo que o Anjo lhe tinha a dizer, dá o seu consentimento ao projeto divino. O sim de Maria é o sim à Palavra de Deus; é o sim às promessas de Deus. O sim de Maria é consciente. Com sua resposta, Maria também se torna agente do projeto salvífico de Deus para a humanidade. O sim de Maria se torna decisivo para a História Humana.
Dessa maneira, Maria se tornou modelo e exemplo para toda a humanidade. O que Deus realizou em Maria, de certo modo, também quer realizar em cada um de nós. Somos chamados, assim como foi Maria, a darmos o nosso sim ao projeto salvífico de Deus, em nosso tempo. Somos convidados a colaborar com a concretização do Reinado de Deus, em nossos dias. 
Que Nossa Senhora nos ensine a termos um coração humilde, generoso e aberto para acolher a proposta de salvação feita por Deus a cada um de nós. 


Publicado por Frei Michel da Cruz em 26/08/2019 às 07h11